Monthly Archives: September 2016

IEH | Leituras da semana (03 a 05/10)

Olá pessoal,

Eis as leituras da semana:

03/10 Robert Burgoyne, “Memória protética/memória nacional: Forrest Gump o contador de histórias. in A nação do filme, Ed. UnB, Brasília, 2002, pp. 145­-164.(texto apenas na copiadora).

05/10 Eric Hobsbawn, “A nação como novidade”, in Nações e nacionalismo desde 1870, Ed. Paz e Terra, São Paulo, 1998, pp. 27-­63.

IEH | Leituras da semana (26 a 28/09)

Olá pessoal,

Eis as leituras da semana:

26/09 Andreas Huyssen, “Resistência à memória: usos e abusos da história e do esquecimento”, In Culturas do passado­ presente. Modernismo, artes visuais, políticas da memória, Contraponto, São Paulo, 2014, pp. 155-­176..

28/09 François Dosse, “Uma história social da memória”, in História. Ed. Unesp, São Paulo, 2012, pp.265­-307.

Por que estudar História?

Laura de Mello e Souza

Laura de Mello e Souza é professora titular de História Moderna da Universidade de São Paulo. É autora de O Diabo e A Terra de Santa Cruz (1986) e O Sol e a Sombra (2006), entre outros livros. Organizou e foi co-autora do primeiro volume de A História da Vida Privada no Brasil.

Para responder esta pergunta, a primeira frase que me ocorre é a resposta clássica dada pelo grande Marc Bloch a seu neto, quando o menino lhe perguntou para que servia a História e ele disse que, pelo menos, servia para divertir. Após 35 anos de vida profissional efetiva, como pesquisadora durante seis anos e, desde então – 29 anos – também como docente na Universidade de São Paulo, considero que a diversão é essencial, entendida no sentido de prazer pessoal: a melhor coisa do mundo é fazer algo que gostamos de fato, e eu sempre adorei História, sempre foi minha matéria preferida na escola, junto com as línguas em geral, sobretudo italiano e português, e sempre mais a literatura que a gramática.

Mas a História é, tenho certeza disso, uma forma de conhecimento essencial para o entendimento de tudo quanto diz respeito ao que somos, aos homens. Os humanistas do renascimento diziam que tudo o que era humano lhes interessava. A História é a essência de um conhecimento secularizado, toda reflexão sobre o destino humano passa, de uma forma ou de outra, pela História. Sociologia, Antropologia, Psicologia, Política, todas essas disciplinas têm de se reportar à História incessantemente, e com tal intensidade que o historiador francês Paul Veyne afirmou, com boa dose de provocação, que como tudo era História, a História não existia (em Como escrever a História). Quando os homens da primeira Época Moderna começaram a enfrentar para valer a questão de uma história secular, que pudesse reconstruir o passado humano independente da história da criação – dos livros sagrados, sobretudo da Bíblia – eles desenvolveram a erudição e a preocupação com os detalhes, os fatos, os vestígios humanos – as escavações arqueológicas, por exemplo – e criaram as bases dos procedimentos que até hoje norteiam os historiadores. Mesmo que hoje os historiadores sejam descrentes quanto à possibilidade de reconstruir o passado tal como ele foi, qualquer historiador responsável procura compreender o passado do modo mais cuidadoso e acurado possível, prestando atenção aos filtros que se interpõem entre ele, historiador, e o passado. Qualquer historiador digno do nome busca, como aprendi com meu mestre Fernando Novais, compreender, mesmo se por meio de aproximações. Compreender importa muito mais do que arquitetar explicações engenhosas ou espetaculares, e que podem ser datadas, pois cada geração almeja se afirmar com relação às anteriores ancorando-se numa pseudo-originalidade.

Sem querer provocar meus companheiros das outras humanidades, eu diria que a Antropologia nasce a partir da História, e porque os homens dos séculos XVI, XVII e XVIII começaram a perceber que os povos tinham costumes diferentes uns dos outros, e que esses costumes deviam ser entendidos nas suas peculiaridades sem serem julgados aprioristicamente. É justamente a partir desse conhecimento específico que os observadores podem estabelecer relações gerais comparativas e tecer considerações, enveredar por reflexões mais abstratas. Portanto, a História permite lidar com as duas pontas do fio que possibilita a compreensão do que é humano: o particular e o geral.

A História é fundamental para o pleno exercício da cidadania. Se conhecermos nosso passado, remoto e recente, teremos melhores condições de refletir sobre nosso destino coletivo e de tomar decisões. Quando dizemos que tal povo não tem memória – dizemos isso frequentemente de nós mesmos, brasileiros – estamos, a meu ver, querendo dizer que não nos lembramos da nossa história, do que aconteceu, por que aconteceu, e daí escolhermos nossos representantes de modo um tanto irrefletido – na história recente do país, o caso de meu estado e de minha cidade são patéticos – de nos sentirmos livres para demolirmos monumentos significativos, fazermos uma avenida suspensa que atravessa um dos trechos mais eloquentes, em termos históricos, da cidade do Rio de Janeiro, o coração da administração colonial a partir de 1763, o palácio dos vice-reis. Quando olho para a cidade onde nasci, onde vivo e que amo profundamente fico perplexa com a destruição sistemática do passado histórico dela, que foi fundada em 1554 e é dos mais antigos centros urbanos da América: refiro-me a São Paulo. Se administradores e elites econômicas tivessem maior consciência histórica talvez São Paulo pudesse ter um centro antigo como o de cidades mais recentes que ela – Boston, Quebec, até Washington, para falar das cidades grandes, que são mais difíceis de preservar.

Não acho que se toda a humanidade fosse alimentada desde o berço com doses maciças de conhecimento histórico o mundo poderia estar muito melhor do que está. Mas a falta do conhecimento histórico é, a meu ver, uma limitação grave e, no limite, desumanizadora. Acho interessante o fato de muitas pesquisas indicarem que, excluindo os historiadores, obviamente, o segmento profissional mais interessado em História é o dos médicos. Justamente os médicos, que lidam com pessoas doentes, frágeis e amedrontadas diante da falibilidade de seu corpo e da inexorabilidade do destino humano. E que têm que reconstituir a história da vida daquelas pessoas, com base na anamnese, para poder ajudá-las a enfrentar seus percalços. Carlo Ginzburg escreveu um ensaio verdadeiramente genial, sobre as afinidades do conhecimento médico e do conhecimento histórico, ambos assentados num paradigma indiciário (refiro-me ao ensaio “Sinais – raízes de um paradigma indiciário”, que faz parte do livro Mitos – emblemas – sinais). Portanto, volto ao início, à diversão, e acrescento: o conhecimento histórico humaniza no sentido mais amplo, porque ajuda a enxergar os outros homens, a enfrentar a própria condição humana.●

IEH | Lista de apresentações

Olá pessoal,

Estou colocando aqui a lista de apresentações. Mas fiquem atentos às datas porque estamos um pouco atrasados.

photo-1photo-2photo-3photo-4

Leituras da semana (19 a 21/09)

Olá pessoal,

Eis as leituras da semana:

19/09 Antoine Prost, “Verdade e função social da história”, in Doze lições sobre a história. Ed. Autêntica, Belo Horizonte, 2008, pp. 253-­272.

Apresentação: Lucas Almeida, Luiza Aikawa e Rodrigo Andrade.

21/09 Andreas Huyssen, “Resistência à memória: usos e abusos da história e do esquecimento”, In Culturas do passado­ presente. Modernismo, artes visuais, políticas da memória, Contraponto, São Paulo, 2014, pp. 155-­176.

Apresentação: Manoela Resende, Ênio Carvalho e Daiana Lima

IEH | Leituras da Semana (12 a 14/09)

Olá pessoal,

Fiz uma reformulação no programa. Inverti a ordem de um texto e eliminei o segundo texto do Michel de Certeau, que de certa forma já discutimos no primeiro. Logo abaixo encontra-se o nome das pessoas que escolheram apresentar o texto de Michel Foucault.

12/09 Marc Bloch. “A análise histórica”, in Apologia da história, ou o ofício do historiador, Ed. Zahar, Rio de Janeiro, 2001, pp. 125­-154.

14/09  Michel Foucault, “Nietzsche, a genealogia e a história”, in Microfísica do poder, Ed. Graal, Rio de Janeiro, pp. 15-38.

Apresentação do texto de Michel Foucault: Mauro, Tiago Marques, Alex Lopes

IEH | Leituras da Semana (05/08)

Olá pessoal,

Para segunda feira teremos os dois textos de Peter Burke abaixo destacados:

05/08 Peter Burke. “Um novo paradigma?” e “Da representação à construção” in O que é história cultural, Ed. Zahar, Rio de Janeiro, 2008, pp. 68-98 e 99-130.