Monthly Archives: June 2015

IEH e Teoria da História | ÚLTIMA PROVA

Senhoras e senhores,

Eis a última prova do nosso curso. Basta clicar e baixar:

Escolha uma única questão e responda. Aqueles que não fizeram alguma prova anterior deverão responder as duas questões.

• Prova Teoria História

• Prova IEH

As provas deverão ser entregues no dia 07/07, conforme combinado em sala de aula.

Blog Teoriografia: 10.000 acessos

Gente,

Chegando ao fim do curso, esse é o resultado do nosso blog: mais de 10.000 acessos, mais de 2000 usuários únicos, e visitas de 15 países diferentes. Nada mal para um blog criado para apenas duas turmas.

 Screen Shot 2015-06-25 at 11.43.27 PM

Screen Shot 2015-06-25 at 11.41.28 PM

IEH | Leituras da semana (30/06 a 02/07)

Olá pessoal,

Eis as leituras da semana:

30/06 Susan Sontag, Partes 5 e 6. Diante da dor dos outros, Cia das Letras, São Paulo, 2003, pp. 64-86. (páginas 32 a 42 no arquivo pdf)

02/07 Jean Galard, “Imagens belas demais”, in Beleza exorbitante, FAP/UNIFESP, São Paulo, 2012, pp. 17-33.

Teoria da História | Leituras da semana (30/06 a 02/07)

Olá pessoal,

Eis as leituras da semana. Os dois textos estão em PDF.

• 30/06 Dipesh Chakrabarty, “A pós-colonialidade e o artifício da história: quem fala em nome dos passados ‘indianos’?”

02/07 Santiago Castro-Gómez, “La poscolonialidad explicada a los ninos” in La poscolonialidad explicada a los ninos, Editorial Universidad del Cauca, Popayán, 2005, pp. 11-64.

Teoria da História | Último exercício

Olá pessoal,

Nosso último exercício do semestre consistirá em um resumo do texto de Dipesh Chakrabarty, “A pos-colonialidade e o artifício da história: quem fala em nome dos passados indianos?”, que por acaso é o próximo texto que leremos. A tarefa deverá ser entregue dia 30/06, o dia que leremos o texto.

• Dipesh Chakrabarty, “A pós-colonialidade e o artifício da história: quem fala em nome dos passados ‘indianos’?”

IEH | Último exercício

Olá pessoal,

O nosso último exercício será um resumo do texto “Textos, impressões e leituras”, de Roger Chartier. Espero um resumo básico, de no máximo uma página, a ser entregue na próxima terça-feira, dia 30/06.

• Roger Chartier, “Textos, impressões, leituras”, in Lynn Hunt, A nova história cultural, Martins Fontes, São Paulo, 1992, pp. 211-238.

Teoria da História | Breve reflexão sobre a geopolítica do conhecimento

Olá gente,

Na última aula de Teoria da História, a partir do livro “Orientalismo”, de Edward Said, nós discutimos um pouco sobre o que eu chamaria de base geopolítica do conhecimento. Ou seja, como certos blocos geopolíticos tem maior poder de determinar o que é o conhecimento legítimo, seus métodos, teorias, formas de representação, dentre outros aspectos, que configuram relações de poder bastante desiguais.

Com base na nossa ementa eu tentei ilustrar essa questão de uma maneira mais fácil de visualizar. Nos gráficos abaixo estão dados sobre a origem de cada um dos autores que leremos até o final do curso. O primeiro gráfico mostra a porcentagem da origem dos autores presentes na nossa ementa. O segundo gráfico mostra, de uma maneira mais clara, a hiper-concentração geográfica da nossa bibliografia, e o quanto ignoramos a maior parte do mundo. Autores de regiões como China, Rússia e Oceania, por exemplo, estão completamente ausentes da nossa bibliografia.

Para fazer uma comparação, eu busquei a ementa da mesma disciplina no Departamento de História da USP. Na USP há dois cursos de Teoria da História (I e II). Nas ementas não há uma indicação de quais textos efetivamente serão lidos em sala de aula, há apenas uma bibliografia geral, bastante volumosa. E com base na bibliografia das duas ementas da disciplina eu fiz o mesmo levantamento que fiz com a ementa da nossa disciplina.

Evidentemente, não há como tirar conclusões definitivas a partir dos dados abaixo. Textos escritos por autores fora da Europa podem ser tão ou mais eurocêntricos que de autores europeus. Como disse em sala, o eurocentrismo é uma ideologia, uma estrutura de poder que qualquer pessoa, de qualquer origem, pode aderir ou criticar. De todo modo, acho que esses gráficos ajudam a colocar perguntas sobre a geopolítica do conhecimento. E colocar perguntas é o objetivo central do nosso curso.

Grafico UnB Mapa UnB

Grafico USP Mapa USP